Vídeos

Direitos LGBT em debate na ONU

8 de out de 2015

O secretário-geral das Nações Unidas pediu o fim da violência e da discriminação contra pessoas LGBT e afirmou que não deixará ninguém para trás. Assista neste vídeo e saiba mais em http://nacoesunidas.org/tema/lgbt

_____________________________

Líderes globais se unem — para fazer a história LGBT

24 de abr de 2014

Este encontro foi o primeiro de seu tipo, este vídeo faz você se perguntar o por quê. Ouça os destaques da primeira reunião ministerial das Nações Unidas sobre os direitos LGBT e compartilhe!

Em 26 de setembro de 2013, líderes do grupo de países da ONU trabalhando para acabar com a violência e a discriminação contra lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) se reuniram em Nova York para a primeira reunião ministerial na ONU sobre direitos LGBT.

Foram feitas fortes declarações dos vários participantes, entre os quais se encontram a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos; do secretário de Estado dos EUA; dos ministros das Relações Exteriores da Argentina, Brasil, Croácia, Holanda e Noruega; do ministro francês da Cooperação para o Desenvolvimento; do representantes da União Europeia, Japão e Nova Zelândia; e dos diretores da Human Rights Watch e Comissão Internacional de Direitos Humanos sobre Gays e Lésbicas.

_____________________________

Com amor, de Desmond Tutu

24 de abr de 2014

Desmond Tutu afirma se opor à discriminação anti-LGBT “com a mesma paixão com que eu me opus ao Apartheid”.

 _________

Homotransfobia custam bilhões à economia mundial, diz ONU

ONU – O PREÇO DA EXCLUSÃO:

Taxas de pobreza, falta de moradia, depressão e suicídio foram encontrados em muito maior números entre lésbicas, gays, bissexuais e transexuais do que na população geral. Mas não é apenas a pessoas LGBT que pagam o preço. Todos nós fazemos. Toda criança LGBT jogado para fora da casa e forçado a deixar escapar a educação é uma perda para a sociedade. Todos os trabalhadores LGBT negados os seus direitos é uma oportunidade perdida para construir uma economia mais justa e mais produtivo.

Estas perdas são totalmente auto-infligidas. Com diferentes leis e políticas em vigor e uma mentalidade diferente, poderíamos alcançar um mundo mais livre e igual – mais próspera também!